segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Subindo o rio Embira


















Foto: Ségio Vale. Retirada do blog/Edvaldo Magalhães



SUBINDO O RIO EMBIRA/FÉIJO/AC


5 horas da manhã, arruma as coisas: roupa, comida. Na canoa, põe um agasalho, liga o moto e vamos subir o rio Embira de Féijo ao Seringal Riachuelo. Olho pra trás - ficam as ruas, bicicletas, pessoas comprando o pão na padaria, luz da cidade, até outro dia.
Do lado esquerdo do rio, um banco de areia, acima o campo com cabeças de gados nelores e búfalos. O vento que bate gelado, estamos indo pra casa, um dia e meio de viagem.
As margens do rio, casas de caboclos, são iguais a nós apenas exagerados na vestimenta, cores diversas, tons vermelho colorau no rosto, brincos, muitas pulseiras no braço.
A cidade vai ficando pra trás - é bonito de se ver.
O barulho das águas, lentamnete as árvores vão passando, a garça que voa, plantio de melancia e feijão na praia. Bem! que deveriamos parar e levar algumas, mas não dá pois, tem dono.
Uma casa em terreno de declive alto, o terreiro com panpolas e rosas, as crianças mal vestidas e suja e o cachorro vira-lata, correm para ver o barco passar, que lentamente força as águas que deslizam em sentido contrário.
Hoje é um daqueles dias, que o sol levanta cedo e põe seu brilho pra raiar, o ceú com poucas nuvens da sentido de não chover. Bem! melhor assim, pingos de chuva, correr o risco de nos molharmos, mesmo estando coberto de lona.
Galhos de árvores as margens do rio, um tracajá descansa tomando sol, as mulheres lavando roupa e a louça do café da manhã; leite tirado da vaca que estava no curau enlaçada; macaxeira cozida, a banana, a farofa de carne. Depois, de comer a mulher pega as roupas e vai a cacimba ou ao rio; o homem sai pra pescar no lago. É a vida do ribeirinho, na santa paz de cada novo dia, que acordam ao cantar do galo, vai pra roçar plantar milho, colher arroz. E quando não farinha no camburão, junta família toda a colher mandioca, descasca, põe pra moer e leva a massa ao forno. As crianças ficam felizes com o "beijuzinho de coco".
Agora, estamos passando pelo campo verde, largo com três árvores solitárias, o gado a pastar. O barranco muito alto, de cima desce água construindo um filete. A mata fechada, galhos de árvores com folhas largas que beijão o rio.

E assim a canoa vai subindo o rio...



Autora: Luciane Moraes


















Foto: Lenilda Vieira, Agosto de 2009

15 comentários:

  1. Que prazer receber sua visita e mais ainda ter vc acompanhando meu blog.
    Entre e fique a vontade viu!
    Olha que interessante não conheço, pessoalmente, ninguém do Acre.
    Já estou adorando nossa amizade.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Lu,
    Adorei o texto.Parece que a gente vai fazendo a mesma viagem no barco.

    Tornei-me sua seguidora e voltarei outras vezes para acompanhar seu blog.
    Desejos de um lindo dia!
    Abraços,
    heliane

    ResponderExcluir
  3. OLá Luciane, deve ser uma maravilhosa aventura. O Brasil tem esta característica , várias culturas em um só país.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Lu,
    belo texto.

    Um forte abraço, ilustre poetisa!

    ResponderExcluir
  5. Lu,
    uma boa surpresa hoje quando fui espiar meu blog e vi mais uma seguidora... é claro que rapidinho fui ver de quem se tatava, e encontrei este texto tão gostoso de ler, como disse a Heliane aí a cima, parece que viajamo junto contigo. Parabéns, e volte sempre!

    um beijinho, aqui do sul
    Josi

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pela sua visita em meu humilde blog e por estar nos seguindo Que Deus te abençoe.

    As vezes nossa vida é assim:
    Enfrentamos o mar vermelho,
    Caminhamos pelo deserto,
    Pegamos um barco e somos apanhado por um temporal no meio do mar,
    Chegando em terra somos afrontados por gigantes,
    Entramos na cova dos leões,
    Somos lançados na fornalha de fogo,
    Vendidos como escravo,
    E inocentes diante de Deus pelos homens somos acusados...
    MAS, SE CRERES...
    O mar vai se abrir;
    No deserto providência não vai faltar;
    A tempestade vai cessar;
    O gigante cairá;
    Na cova os leões não vão te tocar;
    Na fornalha o fogo não te queimará;
    Da escravidão você sairá para Reinar
    E os teus acusadores te verão Triunfar...
    Ouse crer Deus vai até o fim com você...
    LEMBRE-SE : VOCÊ É VENCEDORA !

    ResponderExcluir
  7. oh! gloria! eu recebo! valeu Sergio* q Deus o abençõe

    ResponderExcluir
  8. Oi,Lu... post interessantissimo, adorei. Obrigada pela visita. Bom fim de semana. Beijo

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigada pela sua visita LU,
    Seu blog é lindo! Diferente.
    Que Deus te abençõe,
    bjs

    ResponderExcluir
  10. A meiguice dos teus olhos
    Enternece a alma mais dura
    Sei-te em cada batida de coração
    Na verdade da água pura

    A verdade da terra
    De verdadeira verdade se veste a tua alma nua
    O mundo conhece teus passos
    O teu destino impresso nas pedras de uma rua

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  11. Cara amiga,
    Vejo que está a seguir o talqualsou e vim visitar o seu blog. Logo deparei com um belissimo passeio de canoa. Quem dera poder te-lo feito convosco. Perco-me por esses passeios.
    Um grande beijinho,
    Maria Emília

    ResponderExcluir
  12. Que lindo o seu texto, os seus poemas, o seu blog...

    ResponderExcluir
  13. Muy bello texto. Un gusto leerte. Un abrazo mexicano.

    ResponderExcluir
  14. Olá somos da Igreja Presbiteriana de Limeira - SP.
    Estamos fazendo uma visitinha no se blog.
    Entre lá no nosso e sinta-se a vontade.
    Ps: SEJA NOSSO SEGUIDOR!

    ResponderExcluir

Críticas, sugestões,...Tudo é bem vindo! Fique a vontade!

Amigo(a)! Muito obrigada! Pelo seu comentário!
TUDO DE BOM! Pra você! FELICIDADES!!!