segunda-feira, 11 de julho de 2011

Um banco de praça solitário



















Suave vento
Bate ... Bate
no banco da praça
que está só,
a pensar
No que será?
Uma noite sem lua
O banco envolvido
de folhas secas,
ao chão
Estar a pensar
No que será?

Por Luciane Moraes
E-mail: olharacreano@gmail.com

8 comentários:

  1. Oi,Luciane. Um banco de praça esconde muitas histórias e lembranças. parabéns. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Bancos assim sempre me fizeram pensar...Lindo isso! Adorei! beijos,ótima semana,chica

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Lú!

    Acho que este banco já foi terapia p/ muita gente...

    Gostei do novo visual do "Olhar Acreano! Sutil como vc!

    Uma ótima semana, cheia de boas energias!

    Beijosssssssss

    ResponderExcluir
  4. Reflexiva e sumidinha né??

    saudades...beijo

    ResponderExcluir
  5. Linda poesia Lu.
    Adoro fotografar bancos.. Eles me fazem pensar em quantos trechos de histórias eles ñ testemunharam.
    Linda postagem, amiga.
    Gostei muito da nova apresentação de seu blog... Show!

    Bjs em seu coração,

    Tânia

    ResponderExcluir
  6. Lindo Lu, maravilhoso poema!
    Adorei!

    Bj

    Rui

    ResponderExcluir
  7. Ele contorna com nobreza, uma distância aparentemente "fria" causando a sensação de que vale a pena se arriscar, mesmo sem a certeza do que se tem lá na frente...adorei!

    ResponderExcluir

Críticas, sugestões,...Tudo é bem vindo! Fique a vontade!

Amigo(a)! Muito obrigada! Pelo seu comentário!
TUDO DE BOM! Pra você! FELICIDADES!!!